01 janeiro 2008

Repete: mentiroooso! mentiroooso...!


(Recebido por e-mail)

A mensagem de Natal do 1º ministro ou a falta de rigor como instrumento de manipulação política.
O 1º ministro, na sua mensagem de Natal, com o objectivo de convencer os portugueses de que o seu governo estava a resolver os problemas do País, manipulou dados e utilizou-os de uma forma pouco rigorosa. Para tornar a sua mensagem mais credível, utilizou o próprio nome do INE. Sócrates afirmou textualmente o seguinte: «Segundo os dados oficiais do Instituto Nacional de Estatística, nestes dois últimos anos e meio a economia criou em termos líquidos 106.000 postos de trabalho». No entanto, os dados do INE não permitem fazer tal afirmação. Efectivamente, se a comparação for feita com base em trimestres homólogos, conclui-se que o crescimento do emprego não foi aquele que o 1º ministro afirmou (106 mil postos de trabalho), mas um outro muito diferente. Entre o 1º Trimestre de 2005 e o 1º trimestre de 2007, o aumento foi apenas de 41,3 mil postos de trabalho; entre o 2º trimestre de 2005 e o 2º Trimestre de 2007, foi somente de 22,6 mil postos de trabalho; e, entre o 3º Trimestre de 2005 e o 3º Trimestre de 2007, o crescimento foi de 70,3 mil postos de trabalho. Se a comparação for feita entre a média do emprego nos primeiros três trimestres de 2005 (5.118,8 mil) e a média do emprego nos três primeiros trimestres de 2007 (5.163,5 mil), em que o efeito da sazonalidade está mais diluído, o aumento de postos de trabalho é apenas de 44,7 mil, o que corresponde a 42% do aumento referido por Sócrates na sua mensagem de Natal. E mesmo este crescimento reduzido do emprego é aparente pois, entre 2005 e 2007, o emprego total aumentou em 44,7 mil, mas o emprego a tempo parcial cresceu em 45,2 mil. Portanto, o crescimento do emprego que se verificou, deveu-se apenas ao aumento do emprego a tempo parcial, porque o emprego a tempo completo até diminuiu. E a remuneração de um emprego a tempo parcial corresponde apenas a cerca de 47% da remuneração de um emprego a tempo completo (em 2006, segundo o INE, a remuneração média a tempo completo era de 730 euros, e a tempo parcial de apenas 340 euros). Os dados do INE mostram também que esse aumento foi conseguido fundamentalmente através de emprego precário pois, entre 2005 e 2007, os contratos a prazo aumentaram em 95,8 mil, enquanto os contratos sem termo diminuíram em 27,2 mil. Uma questão extremamente preocupante é a destruição líquida elevada e crescente de postos de trabalho destinados aos trabalhadores de escolaridade e qualificação mais elevadas. Assim, segundo o INE, o número de postos de trabalho destinados a “quadros superiores” + “Especialistas de profissões intelectuais e científicas” + “Técnicos profissionais de nível intermédio” diminuiu, entre o 1º Trimestre de 2005 e o 1º Trimestre de 2007, em 89,9 mil; e, entre o 3º Trimestre de 2005 e o 3º Trimestre de 2007, a redução de postos de trabalho destinados àqueles três grupos já foi de 123 mil. http://infoalternativa.org/autores/eugrosa/eugrosa153.htm
P.S. Há alguma possibilidade deste José Sócrates dizer algo que não seja mentira???

4 comentários:

Range-o-Dente disse...

"Se a comparação for feita entre a média do emprego nos primeiros três trimestres de 2005 (5.118,8 mil) e a média do emprego nos três primeiros trimestres de 2007 (5.163,5 mil), em que o efeito da sazonalidade está mais diluído, o aumento de postos de trabalho é apenas de 44,7 mil,"

Se experimentarmos fazer a média mensal, a coisa será ainda mais radical. Se for a semanal, ainda mais radical será. Se for a média diária ...

... e eu pensar que, nesta coisa do desemprego se fazia como no caso da precipitação: a 'média' resulta apenas do total no período ...

.

Joaquim Simões disse...

É, a coisa é muito (propositadamente) baralhada por todos eles, quer pelo Sócrates, quer por estes tipos. Mas, descontando a bizarria(?) da percentualização do emprego e do desemprego por trimestres (embora não me pareça que a sazonalidade e a precaridade do emprego possam ser matematizadas da mesma forma que a pluviosidade, devido à natureza dos factores que as influenciam e determinam...) não me cheira que estas contas andem demasiado longe da verdade. Mas, se me convencerem do contrário, serei o primeiro a pedir desculpa, de corda ao pescoço se preciso for.

Range-o-Dente disse...

"Mas, se me convencerem do contrário, serei o primeiro a pedir desculpa, de corda ao pescoço se preciso for."

Mas não convém que o ponto de aplicação da corda descaia muito ...

Entretanto, em relação do desemprego, há duas coisas preocupantes:

1 - que apesar de se criarem novos empregos, tantos se vão perdendo e,

2 - nesse balanço, os novos empregos serão mais ou serão menos qualificados (não me refiro ao uso de tecnologia, mas ao uso de massa cinzenta)?

... e nesse nó górdio ...

.

alf disse...

Estes números incluem os funcionários públicos?