18 setembro 2008

Do merecimento, da justiça e do resto


Há pouco, alguém ao meu lado dizia a outrem o seguinte:
Em Moçambique, país que pretende sair da situação económica e cultural em que se encontra, a quase totalidade dos alunos percorre diariamente a pé muitos quilómetros, para poder frequentar a escola, onde frequentemente os lápis e as canetas são substituídas por pauzinhos com que escrevem na areia ou na terra que lhes serve de papel.
O papel que os alunos portugueses, num dos países menos desenvolvidos da Europa, fazem displicentemente voar pelas salas de aula, muitas vezes com o auxílio dos tubos das esferográficas, bocejando, enfadados por terem que aprender seja o que for e vozeando de maneira a que nada mais se ouça. Os alunos para quem a escola é o impedimento ao tempo que poderiam dedicar aos jogos de computador ou ao chat, através do qual espraiam o vazio de uma conversa sobre coisa nenhuma, enquanto esperam por uma saída ao shopping mais próximo para comprarem o mais recente modelo de telemóvel que a possa perpetuar. Os alunos, que têm que ser ensinados a consentir em aprender seja o que for, como se consente em assistir a um espectáculo (sempre divertido, dizem os pedagogos, que, assim, o peso da responsabilidade não se faz sentir).
Os alunos que, com a criminosa conivência da inconsciência generalizada, pessoal e cívica, dos seus progenitores, que reclamam a educação gratuita como um direito, e da acção "humanista" dos politicamente mandatados, vão proporcionando a visão do afundamento, até à indigência que, inevitavelmente, fatalmente, (n)os espera a todo o nível.
Disse. E depois todos nós nos calámos durante bastante tempo.

2 comentários:

Joaninha disse...

E disse muito bem!

"quase totalidade dos alunos percorre a pé diariamente a pé muitos quilómetros, para poder frequentar a escola"

tens aqui "a pé diariamente a pé" dois pés ;)

beijos

Joaquim Simões disse...

Vão num pé e vêm no outro, que por aqeles lados a vida não tem nada de fácil...!
Obrigado pela correcção.
Beijinhos