10 setembro 2008

Triste ou vergonhoso?


Reparem bem no modo sofístico como esta "informação" é dada, nas contradições que encerra a forma de exposição e de tratamento de dados, o que é sugerido nas entrelinhas.
Só me lembrei da minha cunhada, que aqui há uns tempos, no auge da campanha dos candidatos, pensava, de boa fé, que se estava a escolher entre Obama e Hillary Clinton para a presidência dos Estados Unidos e que desconhecia por completo a existência de McCain, porque nunca tinha ouvido falar dele na "comunicação social". E que achava Obama "muito querido" e gostava da mulher dele porque o chamava para a verdadeira realidade, que é a dos filhos para criar e dos problemas que uma mãe enfrenta.
E olhem que ela até nem é das piores...! Conheço muitos portugueses que estavam convencidos, pelo alarido, que Obama já tinha sido eleito como próximo presidente. E que nem sabiam que existe um Partido Republicano, só aquele gajo, o Bush.
O provincianismo dos nossos jornalistas e da "esmagadora maioria" dos nossos intelectuais corresponde ao nível cultural do povo por eles "in-formado" e é, de facto, acabrunhante.
Triste e vergonhoso.

1 comentário:

Range-o-Dente disse...

Imagune-se o ridículo em que a coisa seria encarada nos Estados Unidos se os jornais norte americanos divulgassem estatísticas sobre o apoio dos americanos aos candidatos às eleições europeias como se isso tivesse alguma importância.

Pior, repare que a estupidez militante europeia nem percebe que há conflitos de interesses entre a Europa e os EUA e que um maior apoio europeu a um candidato resulta, nos Estados Unidos, numa boa notícia para o outro candidato.

.