31 agosto 2007

A propósito...

... da leitura, no mesmo jornal, de um texto de Nuno Pacheco sobre o falecimento de Daniel Morais, adido cultural da embaixada portuguesa em Caracas, velho opositor do Estado Novo, companheiro de Soares no MUD, e que, ao contrário deste, não sentia nenhuma espécie de simpatia por Chávez, lembrei-me de duas notícias que li aqui há uns tempos, quando ainda não blogava, de uma das quais, pelo menos, todos se recordarão. Refiro-me ao célebre gesto de Bush, apontando com a mão para cima em resposta à pergunta sobre de onde provinha o aconselhamento que recebia nos momentos em que deveria tomar decisões cruciais. Imediatamente os comentadores de esquerda, Mário Soares inclusivé, lhe caíram em cima, falando em fanatismo religioso e mesmo em desiquilíbrio. O alarido foi de ordem tal que faz hoje parte do anedotário que qualquer pateta alegre debita sobre o homem.
Tenho a certeza de que todos os sábios e honestos ideólogos, mais ou menos ateus, que se preocuparam em denunciar às massas de cidadãos o secreto significado do gesto imperialista o fizeram também já em diversas circunstâncias, querendo com ele referir-se à sua intuição ou a um salto para a incerteza, pela imprevisibilidade das consequências de um acto numa situação cuja evolução depende de uma miríade de pormenores encadeados. Mas admito a possibilidade da interpretação segundo a qual, com o gesto, Bush se estivesse a referir a uma sua tentativa de, tal como o Papa, apelar para o espírito divino, único verdadeiro conhecedor do Bem, de modo a evitar um erro trágico. Admito e não me escandaliza. Uns agem em nome da razão (seja lá o que for que isso queira dizer) outros, em nome de Deus (dependendo do Deus de que falem), outros ainda em nome da Bondade Universal (e aí manda o conceito de "universo"). Só espero que, honestamente, façam o que melhor lhes parecer.
A segunda notícia vem complicar um pouco mais tudo isto. É que, pouco tempo depois, o presidente pré-vitalício da Venezuela discursou na ONU, no dia imediatamente seguinte àquele em que falara o presidente americano. Hugo Chávez começou por dizer: "Ontem esteve aqui o Diabo."
E a esquerda aplaudiu o fino, subtil e intrépido sentido de humor de que ele, uma vez mais, deu mostras. Mas, cá para mim, Chávez é mesmo fanático. Ou ainda pior.

2 comentários:

alf disse...

Isto é um pouco como ser do Benfica ou do Porto... política, futebol, religião, tanto faz, o ser humano reage sempre da mesma maneira, aquilo em que acredita, por uma razão qq, acaba por fazer parte dele como uma mão; tudo o que for diferente só pode estar errado.

Este é um processo de distinguir o certo e o errado, o bem e o mal, sem ter de pensar - é apenas um processo mental instintivo, que não faz uso da razão, da Inteligência.

É bom que haja quem vá chmando a atenção para estes julgamentos desiquilibrados. Que nos afectam a todos, diga-se de passagem, somos todos feitos da mesma massa, há sempre algo que cada um de nós acredita, tornou estruturante, e não o deixa ver com isenção os factos.

antonio disse...

Os gestos que os políticos fazem, são como as suas palavras, dizem muito pouco a seu respeito como homens.

Chaves estava consciente do sucesso das suas palavras e arrastou com isso meia assembleia para o nível intelectual do seu discurso. Brilhante! O que me preocupa em Chaves é que ele pode ir muito mais longe... e existe todo um povo refém disso!

Quanto ao Bush eu tenho a teoria que o Bush desse anedotório não existe...

http://sempenas-ant.blogspot.com/2007/08/wall-mart-os-que-contam.html