29 julho 2009

Não sei se chore, a rir, ou se ria, a chorar!


Numa outra altura dar-me-ia para escrever um texto que me ajudasse a sair o fel provocado por algo tão parolamente sinistro como é isto. Mas, neste momento, por razões diversas, ando sem ânimo para o fazer.
Convido, por isso, aqueles que no mês de Julho (ainda) me lêem a enviarem-me um texto sobre o que tal medida lhes sugere, para que eu o publique aqui.