19 novembro 2007

"Ninguém conhece que alma tem"


Depois de ter dito ao Expresso de sábado que "Sócrates é de uma pavorosa mediocridade", Vasco Pulido Valente escreve ainda o seguinte, no final do texto inserido no PÚBLICO de anteontem:
"Entretanto, o país discute o hipotético aeroporto de Alcochete, a putativa fusão do BCP e do BPI, a presuntiva demissão de José Rodrigues dos Santos, Maddie McCann, a Casa Pia (essa praga), o aborto e, a pedido do sr. Presidente da República, o mar. Por outras palavras, Sócrates (com a voluntária ajuda de Cavaco) despolitizou Portugal. Vivemos numa sociedade apolítica, que obedece à autoridade, sofre calada e aceita com resignação o seu destino. Sócrates conseguiu, de facto, impor a toda a gente a obediência servil do PS. Pouco a pouco o essencial desapareceu de cena: a liberdade e a justiça, o Governo e o Estado. E voltaram, como sempre, o "imperativo nacional" e a competência técnica, que Sócrates naturalmente encarna. A democracia vai morrendo sem ninguém dar por isso".

1 comentário:

Range-o-Dente disse...

Sim. o "imperativo" dá para tudo.

.