12 novembro 2007

Sequências


Primeiro, ouvi no telejornal que os pescadores portugueses estão a emigrar para Espanha e França. E isso fez-me relembrar a pesca como uma, historicamente, marcante e decisiva actividade de um país - já não me lembro de qual...! - com a maior extensão costeira da Europa.
Depois lembrei-me de António Sérgio, que dizia que Portugal foi uma invenção da burguesia marítima (do extremo ocidental europeu).
No telejornal seguinte deram-me a notícia de que uma fábrica têxtil do interior faliu por falta de clientes, deixando 130 trabalhadores no desemprego.
E o dia iluminou-se-me.

3 comentários:

alf disse...

Disse-me já há uns anos um vizinho que o problema do desemprego em Portugal seria temporário: mais alguns anos e o nivel de vida dos chineses já seria superior ao nosso; nessa altura, as indústrias voltariam para cá, país de mão-de-obra barata e abundante. Em pleno sec XXI, já poucos países se podem gabar de ter uma população tão inculta, tão mal preparada profissionalmente, como nós!

O nosso principal artigo de exportação continua a ser este: mão-de-obra não qualificada! E isto é muito grave porque, no fundo, em vez de resolvermos o problema da formação, fugimos a ele pactuando com a emigração.

Joaquim Simões disse...

Nem mais! Em conjunção com a perspectiva económica e cultural dos investidores e dos políticos.

Abobrinha disse...

Vocês não perceberam nada: o problema do desemprego em Portugal acaba quando toda a gente emigrar! Só que desta vez desconfio que não vai haver remessas de divisas para ninguém: o pessoal vai fixar-se em outros lados e vai mesmo!

Nessa altura talvez se resolva o problema dos maus governantes: vão ter que dar à sola também. Só peço uma coisa: o último a sair que feche a porta!

Mas gostei da dos chineses!