25 junho 2008

Ainda a propósito dos Mistérios Esotéricos da Educação...


... a opinião de José Júdice no jornal Metro de hoje:
Aproveitando uma Conferência Internacional sobre Violência nas Escolas que está a decorrer em Lisboa, a ministra da Educação tentou sossegar os portugueses garantindo que, embora a indisciplina seja generalizada, os “fenómenosde violência estão circunscritos”. O país, disse a ministra, tem de ter a noção de que existe uma distinção entre violência escolar e indisciplina. E qual é essa distinção, perguntam ansiosos os pais e os professores, esperando da boca ministerial o conceito rigoroso que permita ao país, naturalmente confuso, distinguir entre falar ao telemóvel na sala de aula e dar uns sopapos na professora? A resposta, como era de esperar, é nenhuma. “Precisamos de um conhecimento mais aprofundado dessa distinção”, disse a ministra. Para perceber a diferença entre fazer barulho ou andar à pancada, a ministra precisa “de um conhecimento aprofundado dessa distinção”.
A maneira mais simples, e barata, de aprofundar esse conhecimento e contribuir para um melhor esclarecimento das políticas educativas seria enviar um secretário de Estado que se voluntariasse para o sacrifício de dar uma aula numa escola escolhida ao acaso (a Carolina Michaëlis do Porto salta imediatamente à mente, mas pode ser qualquer outra). Se o secretário de Estado fosse interrompido por risadinhas, conversas entre os alunos, ataques com aviões de papel ou toques de telemóvel, perceberia imediatamente o que é indisciplina. Caso os raides com aviões de papel evoluíssem numa escalada de violência para ataques com mísseis mais sólidos, como bolos de arroz, garrafas vazias de Coca-Cola ou ofensivas de infantaria ao sopapo e pontapé, o governante poderia tranquilamente concluir que estava a ser alvo de violência escolar e fugiria da escola mais rico e sabedor. Eventualmente com escoriações e nódoas negras, sim, mas enriquecido interiormente pelo “conhecimento mais aprofundado da distinção” entre indisciplina e violência.
Em vez deste saber de experiência feito, o que faz o ministério? Não faz nada, ou seja, anuncia“um conjunto muito vasto de medidas”: a criação de coordenadores de segurança nas escolas, a criação de uma Equipa de Missão para a Segurança Escolar, o reforço do programa Escola Segura, a colocação de centenas de professores em “comissões”, a criação de “cartões de estudante”, a vigilância electrónica e um exército de pedagogos e psicólogos fechados em gabinetes, provavelmente por receio de que levem pancada dos alunos. Reforçar a autoridade do professor na sala de aulas não lhes passa pela cabeça.

2 comentários:

Anónimo disse...

Sim... sim... era para comentar, mas no lugar disso, sugiro a consulta de:

http://sol.sapo.pt/blogs/xptopbl/default.aspx

Joaquim Simões disse...

Obrigado pela indicação e aconselho a todos a leitura da documentação que se encontra neste endereço.