10 junho 2008

Raça do homem!


Acossado pelo jornalista que lhe pedia uma declaração sobre a paralisação dos camionistas (a do “Comboio dos Duros”, como, sempre imaginativa e irreverente, a comunicação social a designa), o senhor Presidente da República, especialista na postura “não me comprometo”, arvorou o costumado sorriso manholas de recorte bacoco e respondeu que a ocasião não era propícia, que hoje era o Dia de Portugal. E, perante a insistência do determinado profissional, no meio da atrapalhação em que se sentia não acrescentou, como Guterres, que “é só fazer as contas”. Antes, como alguém da sua idade, azucrinado durante muitos anos pela cartilha de Santa Comba e a quem a memória selecciona já automática e primeiramente o que nela há de mais antigo, acrescentou que se tratava do “dia da raça”, despachando o importuno o mais rapidamente que podia e pôs-se ao fresco, estugando o passo. Coitado, nem deu pela gaffe!
A esquerda é que não perdeu tempo. Iria lá perdê-lo!
A esquerda correcta, podre de chic e da cultura de novas universidades, não poderia, obviamente, calar-se perante tamanho sintoma do regresso de retrógrados obscurantismos. Falou, com hálito a rosas, de mitos e mistificações científicas, de negregados períodos da história do nosso país, de propaganda… A esquerda de sempre, do sempre-povo, lembrou, por seu turno, o que lembra sempre sobre o que sempre há que lembrar.
Porque ele há gente que é mesmo de má-raça! Como há fadistas de raça ou atletas com raça...! E a esquerda de e com raça não se esquece que tem que acabar com a raça dessa raça de gentinha!

3 comentários:

Joaninha disse...

hahahahaha!!
Adorei:)

confraria_da_alfarroba sociedade de irresponsabilidade & limitada disse...

a graça e a raça que o pôs!...

Joaquim Simões disse...

Algarvios, burros brancos e cães de caça, é tudo a mesma raça...! Lá diz o povo!