22 outubro 2008

Recomendo a leitura...


... deste post no Fiel Inimigo, bem como os recomendados pelo RoD no comentário ao meu post anterior, em As Minhas Leituras (link já disponível aí ao lado).
(Aviso: este produto pode provocar sessões incómodas de espirros aos espíritos mais sensíveis)

4 comentários:

confraria_da_alfarroba sociedade de irresponsabilidade e limitada disse...

não provocou nada!...
nem uma alergiazita...
o autor só se esqueceu de dizer que o Marx também era judeu...
tal como a maioria dos algarvios do sotavento....
e depois?...
ajoelhamo-nos à frente dos judeus? dos americanos? dos muçulmanos? dos indus? dos pagãos? dos católicos?... o discurso pró-americano é tão paranóico quanto o anti-americano.
palermas e tiranos há em todo o lado.
inteligentes, também... mas há menos.
há muitos espertinhos, também.

Joaquim Simões disse...

Se fossem só os algarvios do sotavento...! E Israel, como diz o Amos Oz (que lá vive), parece um filme do Fellini. O mundo, aliás, é um filme do Fellini.
Mas lê outra vez, que aquilo não é ode nenhuma aos americanos, oh algarvio de má-raça. Poderá é ser uma ode aos judeus, com as razões que lhe assistem e também com as que não lhe assistem, como a do Marx ser judeu e isso querer dizer muita, mas mesmo muita coisa. Sempre dá para desenjoar da cassete e sair do lugar-comum imbecil que qualquer puto hoje debita para armar, bem como da propaganda da esquerda esclerosada, vigarista e bem-pensante que, por isso, ainda me dá consegue dar mais volta ao estômago que a direita. Esta, pelo menos, não fala em discurso novo para me impingir outras teocracias.

Anónimo disse...

Será bom que abandonemos os relativos complexos de esquerda e direita e que juntemos nossa capacidade para ir aos coletes aos bilderbergs, al-qaedistas, icars, restos dos apaniguados do barbaças, opus, etc. ou seja, toda essa gente que polui a vida.
América vale a pena, a América que não tange a harpa do cinismo dum roosevelt, dum rockfeller, dum kissinger - esses assassinos do espírito. E seus avatares.

Carlos Azeredo Lopes

Joaquim Simões disse...

Caro Carlos Azeredo Lopes:
Subscrevo o seu comentário.