03 junho 2011

Do estado a que o PS chegou


"Viana do Castelo, 02 jun (Lusa) -- O porta-voz do PS, Fernando Medina, fez hoje um discurso dedicado ao seu líder, dizendo que o país precisa da visão "clara" e "sem falhas" de José Sócrates, assim como do seu "amor" e "dedicação" a Portugal.
Fernando Medina, também cabeça de lista do PS por Viana do Castelo, falava antes da intervenção do secretário-geral deste partido, José Sócrates, num discurso interrompido por sucessivas falhas de som.
"Felizmente, camaradas, tivemos o nosso plano tecnológico a funcionar", disse, usando o humor, quando o sistema de som do comício foi reposto.
Na sua intervenção, o porta-voz socialista fez um discurso cerrado em defesa de José Sócrates.
"Estamos no meio de uma terrível tempestade no mundo, na Europa e em Portugal e infelizmente não podemos dizer que o pior já passou. Por isso, precisamos de José Sócrates como primeiro-ministro", começou por apontar Fernando Medina, antes de deixar uma dedicatória pessoal ao seu líder.
"Precisamos da tua ambição de progresso, de crescimento e de modernidade, precisamos da tua visão clara, sem falhas, na defesa do interesse nacional. Por fim, e mais importante do que tudo, precisamos do teu amor e dedicação sem reservas a Portugal e aos portugueses", declarou o secretário de Estado, dirigindo-se ao seu ainda primeiro-ministro.
Depois, Fernando Medina atacou a suposta ortodoxia das forças de "extrema-esquerda" numa alusão indireta à CDU e ao Bloco de Esquerda.
"Temos uma extrema-esquerda que não governa, não quer ajudar a resolver os problemas do país e a única coisa que lhe interessa é ter uma direita no poder para ser mais fácil combater", afirmou." (sublinhados meus)

11 comentários:

David Levy disse...

http://lisboa-telaviv.blogspot.com/2011/06/socrates-il-sung.html

Chapelada :)

Anónimo disse...

E é isto o mais grave, não o PS ter como líder um mentiroso contumaz rodeado de gente inclassificável, mas esse tipo de caracter e procedimento ter chegado aos escalões mais baixos incluindo militantes de base, pessoas que perderam todo o pudor. Por estupiedez ou cegueira? Não, por interesse, por escarrarem na nação com desculpas esfarrapadas de pseudo amor a Portugal, esse Portugal que é diariamente conspurcado pela sua acção.
Temos de livrar o país deste lamaçal, deste pesadelo que se arrasta há demasiado tempo.

Afonso de Freitas

Anónimo disse...

Que se passa? Até há uns dias era fácil entrar neste blogue, ler e deixar comentários. Agora é difícil navegar, o que escrevemos de repente apaga-se, aparecem imagens estranhas e para lermos os sucessivos postes é aos solavancos. Joaquim Simões, atenção, devem estar a tentar dar-lhe cabo do espaço, leia no Sol o que os meliantes xuxas fazem e talvez se esteja a passar com vocês. Eles são capazes de tudo.

Rosa de Maio

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Caro Joaquim Simões,

Em Portugal, como no Brasil, há muita gente chamando urubu de "meu louro"!!

Por exemplo: "A direita consegue somada 48,9%, contra os 44,8% dos partidos mais à esquerda." em

http://aeiou.expresso.pt/ad-com-maioria-absoluta=f653137

Que direita?!

Ou melhor, acabei de entender a piada: então O PSD é o marco-zero à direita da vírgula!!!

Joaquim Simões disse...

David Levy:
Obrigado pela referência.
Abraço.

Joaquim Simões disse...

Afonso de Freitas:
O que me assusta é precisamente isso: os militantes do PS. Pelo comportamento, parecem herdeiros do espírito da Mocidade Portuguesa, que substituíram o rosa pelo verde.

Joaquim Simões disse...

Rosa de Maio:
Obrigado pela informação. Vou tentar ver o que se passa.

Joaquim Simões disse...

Nausícaa:
No pós-25 de Abril, qualquer conotação com a direita seria não apenas inconveniente, por questões eleitorais, mas até mesmo perigosa, do ponto de vista da integridade física de quem se afirmasse sua defensora. O que é compreensível, dado o que uma ditadura de meio século havia feito ao país. "Direita" era sinónimo de repressão, violência e estreiteza de horizontes, económicos e intelectuais. Por isso, todos os partidos, à excepção dos leninistas, se designaram como estando mais à esquerda do que eram.
O PSD (inicialmente PPD, Partido Popular Democrático) é, na realidade, um partido de centro, no máximo de centro-esquerda - raramente, ao longo da sua existência, de centro-direita. Veremos no que redundará agora.

confraria_da_alfarroba sociedade de irresponsabilidade e limitada disse...

é claro que o ppd/psd é um partido de centro direita. claríssimo... da mesma forma que o ps é um partido de troca-tintas... e espero que dia 5 o sol me ajude a ir à praia para não sofrer a tentação de poder vir a votar no partido dos animais.
estes vigaristas são uma tristeza!... ah, pois são!!!!!

Joaquim Simões disse...

Oh animal!
Partido dos Animais?! Valha-te o Dalai Lama, pá! Agora és nazi?

confraria_da_alfarroba sociedade de irresponsabilidade e limitada disse...

ah ah ah ah
ai são?
é que eles são todos tão iguaizinhos da direita para a esquerda e vice.... qualquer coisa,
baralham-me.
são nazis? mesmo?
no outro dia vi-os na tasca (só vejo tv na tasca) e nem pareciam.
na volta são.
olha, que se ..... esses também.
deve ser da puta da idade e do ouvido - é, já não atino....
mas olha, ganhei com maioria absoluta. a minha campanha anti-voto no face deu naquilo 50%...
o "serranho" do poço de boliqueime já me disse: "móç, vó-te nomar primer menistre" - vai daí, aceitei e fui-me ós amigues pra desconstruir um governe.
queres ser o do interior ou preferes coisa mais kultural?