19 novembro 2010

Diz assim Nicolau Saião:

Nicolau Saião, Sonhos de um homem de bem

Não há caricaturas…

… E muito menos ditadores ridículos. Numa pequena tasca de Vila Boim, rente a Elvas, despacho com limpeza um pratito de bucho assado com rodelinhas de cebola e troco meia dúzia de palavras com o dono do estanco.

Bons lugares para filosofar, as tasquinhas fora do tempo deste Alentejo criador. E corro o olhar em volta: calendários com cachopas e futebolistas pelas paredes, prospectos de apreciadas marcas e de festarolas nos arredores. Uma folha muito madura de jornal com o Sadam. Umas coisinhas do Benfica. E do Sporting. Para contentar toda a gente, decerto, que os clientes nestes tempos de crise requisitam carinhos adicionais. E um pequeno cartaz de propaganda, requentado, com um Portas sorridente. Sorrindo para mim directamente – que não havia ali mais ninguém - do passado próximo. Ainda não tinha os dentes novos mas exprimia-se bem. Gestualmente. Com o seu ar de jovem milhafre ou gavião pronto, como dizia Ungaretti, para todas as viagens. Políticas, neste caso.

Enfio o resto do tintol. Degluto a última lasca de bucho. Rapo da carteira. Ao pagar, Sadam contempla-me com o seu bigode de comerciante beirão. O Portas dirige-me um último sorriso pepsodent.

Não. Não há ditadores ridículos. Nem democratas musculados ridículos. Como dizia Jean-Marie Domenach, a sua simples aparição serve muito bem para gerar a inquietação. Mesmo que um fulano de tal não se dê muita conta.

Quer usem bigode de marçano, sorriso matreiro ou dentes novos.

Nota - Este texto bem como a entrevista a Nicolau Saião sobre o tema Comportamentos, haviam sido já publicadas pelo blog Fundação Velocipédica.

1 comentário:

Menagería Poética disse...

Estimado/a,

Te invitamos a visitar nuestro blog de literatura. Ojalá hagas comentarios y podamos estar en contacto.

http://menageriapoetica.blogspot.com/

Saludos