28 setembro 2007

Superiores interesses

Uma criança de 4 anos caiu de uma varanda, em Belas.
Ela e uma outra irmã, com 2 anos, passam o dia sozinhas em casa, enquanto a mãe trabalha.
Entrevistada para um canal de televisão, uma vizinha diz que a mãe "ou trabalha e lhes dá de comer ou fica em casa com elas e deixa-as morrer à fome".
Foi determinado que as crianças que as crianças serão retiradas à progenitora e entregues às competentes instituições públicas.
Tal como no caso da que irá ser retirada aos pais adoptivos, tudo em nome dos superiores interesses das crianças, é claro.
Ah! É verdade! Já me estava a esquecer! E de uma maior justiça social.

4 comentários:

Range-o-dente disse...

"que as crianças que as crianças"

Range-o-dente disse...

Com tanto apoio à natalidade será melhor pensar-se em trespassar o país.

- Atreveste-te a parir sem teres tido em conta os pressupostos vertidos nos decretos-lei 23123, 3412341, 341341, 53452435, 345242, 09583456, 5356, 565, 5646 ,,234524 ,,,3,5,534,5,, ...,? Nem sequer exercitaste a observância de que o mundo deve ser, perdão, é perfeito?

antonio disse...

Coitada das crianças, nem sabem o que as espera!

Abobrinha disse...

Joaquim

Acho muito bem! A senhora não tinha nada que ir trabalhar quando podia perfeitamente ter optado pela mais que muito completa rede pré-escolar e/ou rendimento mínimo e renda pagas pelo Estado para manter malta que não que... que não pode trabalhar!

No fundo retirar a criança de casa da mãe é da mais profunda justiça: porquê deixar criar mais um tanso que acredita em trabalhar, quando há alternativas muito mais viáveis?

NOTA: Acho que é óbvio que estou a brincar. E com dois pressupostos: que isto tem piada (que obviamente não tem) e que a situação é só o que descreveste (o que pode não ser o caso, lembra-te!).