05 abril 2011

"Mas por que não se pode queimar o Corão?"


Título deste novo e EXCELENTE texto que Luís Dolhnikoff acabou de me enviar "a quente":

No dia 11 de setembro de 2010, um pastor evangélico norte-americano anunciou que queimaria 200 exemplares do Corão, para lembrar a ligação do islã com a queima do World Trade Center em 2001, e a morte de 3000 inocentes. Houve reações planetárias. Da Casa Branca ao Vaticano, passando pela Interpol e o comandante norte-americano no Afeganistão, todos pediram ao pastor que recuasse, porque isso levaria a reações violentas de fanáticos muçulmanos e daria munição a terroristas islâmicos. De fato, houve inúmeras manifestações no mundo islâmico. Incomparavelmente maiores e mais contundentes, em sua quantidade e em sua indignação, do que aquelas registradas no próprio dia 11 de setembro de 2001. Para o mundo muçulmano, parece, queimar edifícios (ao menos edifícios ocidentais) é menos grave e ofensivo do que queimar livros, ou ao menos, exemplares do Corão.

Eis que agora o mesmo pastor volta à carga (ou às chamas) e, mais modesto, queima não 200, mas um exemplar do Corão. Em reação, fanáticos muçulmanos no Afeganistão invadem uma missão da ONU e matam por linchamento nove funcionários. Além dos assassinatos vis, há inúmeras manifestações de condenação violenta da queima do livro, tanto por autoridades políticas do mundo muçulmano quanto do Ocidente, além de autoridades religiosa islâmicas. As manifestações de repúdio à queima são maiores e mais frequentes, ou ao menos mais audíveis, do que a condenação aos assassinatos.

Qual o problema, porém, de se queimar o Corão?

Não se trata, em todo caso, de algo semelhante aos antecedentes mais célebres, os autos-de-fé medievais, em que a Igreja queimava livros proibidos, ou seus equivalentes nazistas: porque estes eram atos de exercício do poder político, no contexto da censura oficial a esses mesmos livros. Tampouco é semelhante a famosos e infames atos históricos de barbarismo, como o do

comandante árabe que no ano de 642, depois de ter entrado em Alexandria [até então uma cidade cristã], mandou que todos os livros da grande biblioteca fossem queimados. O que está nela e também no Corão, teria dito, não precisa ser conservado; o que está nela e não está no Corão, não serve para nada (D. J. Struik, “Por que estudar a história da matemática”, in Ruy Gama (org.), História da técnica e da tecnologia, São Paulo, Edusp, 1985, p. 191).

Qual é então, afinal, o problema de se queimar o Corão? Tenho um exemplar do Corão na minha biblioteca (Alcorão Sagrado, trad. Samir El Hayek, São Paulo, Marsam, 2001). Se um dia eu decidir me desfazer dele, não posso, portanto, jogá-lo no lixo? Principalmente se decidir queimar nesse dia o meu lixo? Ou seja, o que eu decidir fazer ou não com o exemplar do Corão de minha propriedade, que faz parte, com o resto dos meus livros, da minha biblioteca particular, diz respeito ao islã em geral e aos muçulmanos em particular?

Do ponto de vista islâmico, surpreendentemente, sim, porque o islã não conhece, ou não reconhece, a separação entre vida religiosa e vida civil, portanto, entre a esfera pública e a privada, marcas definidoras da modernidade ocidental. Por isso, preciso tomar cuidado com o que faço com meu próprio exemplar do Corão em minha casa, assim como uma mulher não pode fazer com o seu próprio corpo o que queira (inclusive escolher o modo de se vestir). Por isso, também, o islã se comporta, como regra, como um corpo estranho na sociedade aberta ao estilo ocidental: pois o fundamento dela é a lei civil, que além de laica, tem como objetivo primordial a defesa do indivíduo e de sua liberdade individual, inclusive contra ações do próprio Estado, que dirá das religiões.

Quando eu era mais jovem, vi muita gente enrolar cigarros de maconha em páginas da Bíblia. Porque o famoso papel-bíblia, por sua finura, servia como um substituto palatável ao papel de cigarro, quando este faltava. Mas além do aspecto pragmático, havia também no gesto uma clara dimensão cultural, ou melhor, contracultural: pois ao ato de se consumir uma substância ilícita que alterava a consciência se acrescentava a queima de páginas das Escrituras sagradas. A soma da cena era, em suma, a afirmação de que não há nada mais sagrado do que a própria liberdade individual.

A sacralidade da liberdade individual versus a sacralidade da religião: na história ocidental, a modernidade é, de certa forma, o resultado da vitória sócio-político-cultural da primeira sobre a segunda, a partir do fim da Idade Média, marcada pela predominância do poder da Igreja, limado e eliminado com a ascensão do laicismo republicano e da sociedade aberta. No mundo islâmico, a sacralidade da religião ainda não foi historicamente posta em xeque. Daí ela ser uma questão política e social, e não meramente da esfera privada. Daí a liberdade individual, como a de manifestação antirreligiosa, poder ser vista como afronta à religião, quando, na verdade, é a religião não-reformada, não-modernizada e não-privatizada que afronta a liberdade individual e a modernidade.

A destruição de um livro por um indivíduo (assim como de uma bandeira), como manifestação de opinião pessoal ou ato performático de qualquer tipo, é um direito individual inalienável, indiscutível. “Comprar” os argumentos religiosos, de que se trata de afronta à religião, e que por isso seria condenável, é questionar a liberdade de manifestação. Não por não se tratar de uma afronta à religião: mas porque se pode, sim, afrontar religiões, assim como se pode afrontar qualquer sistema de ideias, ou seja, questioná-las. Religiões não são indivíduos, são crenças, e crenças são objetos perfeitos de questionamento no embate das ideias. Daí decorre que o outro argumento, de que tais atos incitam o ódio religioso e mesmo racial, é falso. Em primeiro lugar, nada aí de “racial”. Muçulmanos não são uma “raça”. Em segundo lugar, o que na verdade incita o ódio religioso é a própria religião, não seus questionamentos. Ou seja, é a impermeabilidade das religiões e dos religiosos ao questionamento, manifestada por reações de ódio a esses mesmos questionamentos, o que alimenta e realimenta o ódio religioso, e esse ódio se volta afinal contra a liberdade expressão, que é a liberdade de questionamento.

O assassinato, por outro lado, principalmente o movido por ódio (no caso, o ódio religioso) é que se constituí aqui o único e verdadeiro crime – um crime vil, infame, indefensável, que deve ser condenado do modo mais claro e inquestionável possível.

6 comentários:

awmale disse...

WAKE UP: Muslims use a 'trick' to get reach a «demographic advantage»: The suppression of the rights of the women!...



ANNEX TEXT:
Call spread in the INTERNET:
- Sexual education without Taboos or Neo-Taboos: the analysis of the sex taboo, (in traditionally monogamous societies), we see that the real purpose of the sex taboo was the social integration of sexually weaker males.
{See The-Sex-Taboo blog}

Nowadays, on one hand many women are looking for men with a bigger sexual competence, specially men from traditionally polygamous societies: in these societies, only the stronger men have children, they choose them and refine the quality of the men.
On the other hand, nowadays many men from traditionally monogamous societies look for females from other societies, that are economically weakened [soft]...

CONCLUSION:
In traditionally polygamous societies is it natural, that only the strongest men have children, NEVERTHELESS the traditionally monogamenen societies must accept their history! That is, these societies can´t treat the sexually weaker males like the trash cans of society! This means, that men (with good health) rejected by females should have the legitimate right to an ARTIFICIAL womb [Scientific Research Priority]...

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Caro Joaquim Simões, recomendo-vos ouvir a senhora Ann Barnhardt, EUA, que postou no Youtube em 3 de abril de 2011 suas considerações a respeito da primeira emenda.

Parte 1, 9 minutos, em

http://www.youtube.com/watch?v=Qeyrp-V3Jvc&feature=player_embedded

Parte 2, quse 15 minutos, ela lê alguns versos satânicos e promove um churrasco. Em

http://www.youtube.com/watch?v=_LCLDjPNpf4&feature=player_embedded

P.S. -

1. Avisai ao Fiel que ela é bocuda, peituda e tem culhões.
2. REcomendo acompanhar esta audição com um cálice do Bom Vinho daquela região ao norte de Lisboa, pois harmonizará com as tiras cruas de bacon.

Anónimo disse...

Absolutamente de acordo. A religião islâmica é fascista e totalitária na sua essencia. É no próprio Coram que se justifica a eliminação do Outro como objecto de direito divino.O ser humano, todo o ser humano, para o islâmico histórico e real só conta na medida em que sirva os desígnios de Alah, ou seja, dos seus mantenadores, pois a sua acção é política. O islamismo não é estritamente uma religião mas um método de combate total e totalitário. Daí que, passados os anos em que por incapacidade tecnológica os seus donos e fiéis se viram afastados do poder total, ei-los que se posicionam, e não o escondem, para se tornarem dominadores de TODO O MUNDO.
É enevitável a guerra mundial, que eles têm procurado a todo o transe.
A nossa tarefa será, pela democracia, a liberdade e a razão, que entre outros até o próprio Papa sustenta, prepararmo-nos para ela. Sem complexos, sem más consciencias. O fascismo islâmico tem de ser enfrentado, caso contrário destruirá não a democracia mas o mundo. Obama e os balbuciantes ocientais, capturados pelo politicamente correcto, arriscam-se a ser os coveiros do género humano. Não os deixemos persistir. A democracia e a liberdade não moram com eles e sim connosco.
Elísio Monteiro

Joaquim Simões disse...

Nausícaa:

Obrigado pela indicação, verei o vídeo logo que possa. Entretanto, darei conta do que me diz no Fiel Inimigo.
:D

Joaquim Simões disse...

Elísio Monteiro:

Boa análise. Mas não se esqueça também de que um dos factores que levou à decadência árabe foi o incurável vício do punhalada-nas-costas-uns-dos-outros. E que se mantém.

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Caro,

No cola-e-copia, não citei a fonte que indicou o vídeo:

http://veradextra.blogspot.com/2011/04/mais-macho-que-muito-homem-mulher.html

No blog do Fiel Inimigo, conhecemos africanos que estudam as causas da ignorância do passado quanto à cultura "africana" e, por extensão, à cultura árabe. Em geral, é vergonha.

Para enfrentar esse horror, rotulado assim por causa da civilidade proposta a partir de Jesus Cristo, precisamos estudar escritores da Idade Média sem pré-conceitos, depois, sim, avançar para os contemporâneos. Exemplos, "Suma contra os gentios" de Santo Tomás de Aquino. Ali Sina, em

http://alisina.org/the-illusion-of-reforming-islam/

Bill Warner sobre estatísticas no Corão, em

http://www.cspipublishing.com/statistical/pdf/Statistical_Islam.pdf

Afinal, numa guerra, e é disso que se trata mesmo que não queiramos. Devemos conhecer o inimigo, porque é assim que eles nos vêem.