04 abril 2011

O Brasil e o terrorismo islâmico


Um artigo da revista brasileira Veja (via Fiel Inimigo).

Exclusivo: documentos da CIA, FBI e PF mostram como age a rede do terror islâmico no Brasil

A POLÍCIA FEDERAL TEM PROVAS DE QUE A AL QAEDA E OUTRAS QUATRO ORGANIZAÇÕES EXTREMISTAS USAM O PAÍS PARA DIVULGAR PROPAGANDA, PLANEJAR ATENTADOS, FINANCIAR OPERAÇÕES E ALICIAR MILITANTES

Khaled Hussein Ali nasceu em 1970, no leste do Líbano. Seguidor da corrente sunita do islamismo, prestou serviço militar. Depois, sumiu. No início dos anos 90, reapareceu em São Paulo. Casou-se e teve uma filha. Graças a ela, obteve, em 1998, o direito de viver no Brasil. Mora em Itaquera, na Zona Leste paulistana, e sustenta sua família com os lucros de uma lan house. Ali leva uma vida dupla. É um dos chefes do braço propagandístico da Al Qaeda, a organização terrorista comandada pelo saudita Osama bin Laden. De São Paulo, o libanês coordena extremistas em dezessete países. Os textos ou vídeos dos discípulos de Bin Laden só são divulgados mediante sua aprovação. Mais: cabe ao libanês dar suporte logístico às operações da Al Qaeda. Ele faz parte de uma rede de terroristas que estende seus tentáculos no Brasil.

Tratado como “Príncipe” por seus comparsas, Ali foi seguido por quatro meses pela Polícia Federal, até ser preso, em março de 2009. Além das provas de terrorismo na internet, a Polícia Federal encontrou no computador de Ali spams enviados aos Estados Unidos para incitar o ódio a judeus e negros. Abordado por VEJA, Ali negou sua identidade. Esse material, no entanto, permitiu que a Polícia Federal o indiciasse por racismo, incitação ao crime e formação de quadrilha. Salvou-se da acusação de terrorismo porque o Código Penal Brasileiro não prevê esse delito. O libanês permaneceu 21 dias preso. Foi liberado porque o Ministério Público Federal não o denunciou à Justiça. Casos como o de Ali alimentam as divergências do governo americano com o Brasil.

Há dois meses, VEJA teve acesso a relatórios da PF sobre a rede do terror no Brasil. Além de Ali, vinte militantes da Al Qaeda, Hezbollah, Hamas e outros dois grupos usam ou usaram o Brasil como esconderijo, centro de logística, fonte de captação de dinheiro e planejamento de atentados. A reportagem da revista também obteve os relatórios enviados ao Brasil pelo governo dos EUA. Esses documentos permitiram que VEJA localizasse Ali e outros quatro extremistas. Eles vivem no Brasil como se fossem cidadãos comuns. Embora seja autora das investigações, a PF assume um comportamento ambíguo ao comentar as descobertas de seu pessoal. A instituição esquiva-se, afirmando que “não rotula pessoas ou grupos que, de alguma forma, possam agir com inspiração terrorista”. Esse discurso dúbio e incoerente não apenas facilita o enraizamento das organizações extremistas no Brasil como cria grandes riscos para o futuro imediato.

5 comentários:

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Caro Joaquim Simões,

Eu tentei publicar um comentário no blog do Fiel Inimigo hoje: mas, aparece uma janela final do Facebook informando que não é possível efetuar a solicitação.

O Reinaldo Azevedo - nosso brasileiro esquerdista mais à direita possível, embora também não chegue nem ao centro da coisa toda - traz comentários apropriados sobre esse tema. Em

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

Então, sem mais.

E por favor, não peçais para eu verificar o anti-vírus, ou cadastrar-me no Face, ou fazer um cursinho básico, ... Sou conservadora, e avanço muuuuuito devagar, quase parando. Se dependesse de mim, ainda morreríamos todos aos 40 no máximo. A tecnologia a serviço do indivíduo é uma coisa muito perigosa, e eu, muito linguaruda.

Joaquim Simões disse...

Nausícaa:

Acabei de colocar o que escreveu na caixa de comentários do Fiel Inimigo.
Não percebo o que se passa consigo, eu não tenho qualquer problema em fazer comentários lá, faço-os como sempre os fiz: abro a caixa, escrevo o comentário e publico. Talvez porque não passo pelo Facebook...

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Grata pela vossa gentileza.

Há lá a opção OpenID, mas não sei usá-la, e não pretendo torrar a paciência dos meus técnicos em informática - marido e dois filhos - com isso. Um dia, com paciência e tempo, eu aprendo.

Anónimo disse...

Também eu não consigo colocar comentários no Fiel Inimigo.
Esse blog, um dos verdadeiramente livres no universo da Net tal como outros como este, o Levy, o 31 da Armada, etc, devem estar sob vigilancia controle dos novos pides ou então sou um ornitorrinco. Deve ser por se oporem à propaganda dos islâmicos e seus quintas colunas.
Não cedam a liberdade não é matéria negociável.

Laroca, nortenho democrático assumido

Joaquim Simões disse...

Laroca:

Escrevam para o endereço de e-mail do blog, para eles tentarem resolver o problema. Será o melhor, penso eu.