09 fevereiro 2011

Augusta Duarte Martinho

Adenda interessante: "Reduzidos a contribuintes".


10 comentários:

Anónimo disse...

Um caso perturbante e comovente, e dramático, na sua frieza e desumanidade que demonstra, preto no branco, a face actual de uma sociedade apodrecida e vil, sem verdadeira solidariedade. E não dessa solidariedade politicamente correcta dos pseudo humanistas das esquerdas chulas e das direitas insensatas.
Como é possível que um corpo tenha permanecido "desconhecido e só", como dizia Milosz, durante 9 anos?
Pura incompetencia e desleixo, que num país a sério e realmente democrático motivaria um duro inquérito a essas autoridades tão ineptas que nem sequer, ao ser comunicado o desaparecimento, pelos vistos fizeram o mínimo num caso desses: abrirem a porta da residencia da desaparecida. Porque não é crível que tenham aberto a porta e não tenham ido ao quarto de cama!
Assim se morre, se desaparece em Portugal, neste país de quadrilhas legais e de corruptos
éticos.
Hoje, por exemplo, foi sabido que - mesmo tendo sido intimada por um juiz de Direito - a TMN destruiu as chamadas telefónicas protagonizadas por Vara, Penedos e comparsas.
Levaram a multa de 510 Eur (não estou a brincar...).
Num país a sério, o magistrado mandaria abrir um processo de imediato, por alegada grave negligencia e, talvez, por eventual "cumplicidade".
Mas este é um país onde, há dias, um asno dum blog referia sem o rosto lhe corar de estupidez, que "para que é que se perde tanto tempo com esse caso" (o assassinato confessado de Castro)sem perceber que esse é um dos polos mais importantes acontecidos nos
ultimos tempos, que dá o perfil apodrecido desta nação na qual as igrejas, aionda que de província, permitem missas e demais quinquilharia de "apoio"!
Amigos: para quando um legítimo levantamento cívico provocado pelo asco?
Não tertemos já nós um pouco de coragem?
Que esperamos para corrermos com estas veras "quadrilhas"?
n.

RioD'oiro disse...

Chiça.

Anónimo disse...

Cliquei na adenda. Fui ler o texto do Blasfémias, linkado e muito bem.
E no que se refere ao desprezo dos tribunais pelo cidadão, corroborando o, mesmo assim mais simpático porque "proleta", das autoridades, apenas conto esta que se passos comigo: num dia, há um par de anos, um fabiano desenvolto, com lágrimas nos olhos, solicitou-me please please o aluguer duma casita que tenho em Arronches (cota de cima). Aluguei. O tipo adiantou meio mês, porque no dia seguinte pagaria o resto e assinaria o contrato. Pois...
Quinze dias depois, ainda nada...
Pelo telelé, fiz saber à companheira do cicrano que das duas uma: ou pagavam de imediato e regularizavam documento ou tinham de sair.
Quatro dias depois soube por comunicação de um vizinho que, no dia anterior, pela calada da noite os beltranos tinham trazido uma camioneta, levantado a maior parte dos tarecos e abalado para parte incerta.
Como não me respondiam aos telefonemas, dei parte às autoridades, que fizeram seguir para Tribunal.
O advogado que ficou encarregue, disse-me que tinha que aguardar, pois se metia "providencia cautelar". Yep.
Esperei 9 meses (!!!) que o tribunal actuasse. Para recuperar o que é meu. E onde o fabiano não mais aparecera.
Nunca deu resposta às cartas do tribunal. Não entregou chave. Não me pagou nada.Eu fartei-me de gastar dinheiro
Nunca foi incomodado, continuou a passear-se pela cidade nas calmas alentejanas.
Alentejanas de Portalegre!
Em tempos escrevi um ensaiozito que granjeou certa notoriedade, patente num Encontro internacional, intitulado "O crime e a sociedade", onde teço vigorosas críticas ao sistema judicial, que e cito-me com vossa licença, a meu ver "É o cancro que está a destruir a Democracia que ainda temos".
Recentemente, um confrade disse-me com afecto: "Atenção, que eles devem andar-te com umas sedes...! Tem cuidado...!"
Tenho cuidado. Muito cuidado. Mas continuo a ter dentro de mim uma sensação de nojo e guardo um escarro poderoso para "quando a ocasião se der"...
nicolau saião

Anónimo disse...

Assim é que se fala. E eu temo, deus o não permita, que qualquer dia alguém se passa e mata um par de magistrados ou mesmo mais.
Lagarto, lagarto.

Lino

Anónimo disse...

Tem piada vocês e uns da republica das bicicletas foram os primeiros a levantar o cadáver, e agora a TV já está a falar muito no caso até com o Monteiro dos tribunais a dizer que isto tem de melhorar. Carapalho, agora chegou-lhes a tusa? Mas que poirra é esta? Estes chegam atrasados 8 anos e onze meses ó cadáver falecido.
Lolimeio

Joaquim Simões disse...

Lolimeio:
Não fomos os primeiros, mas sim, talvez, dos primeiros. Quem me alertou para para o caso foi o blogue Aventar, que se encontra no meu Miradouro.

RioD'oiro disse...

Se bem me lembro, dei pelo assunto num oráculo da SIC notícias, enquanto almoçava. Li mas pensei tratar-se de gralha, ou de má leitura, porque o TV estava longe.

Já devia estar avisado que nos tempos que correm as coisas vão para além do verosímil.

Anónimo disse...

Lino diz que tem medo e eu também. Meu Pai viajando a negócios em tempo da revolta Mãos Limpas, de Itália,viu uma coisa que o traumatizou e me contou, uma coisa impressionante e foi que na cidade de Viarrégio, estando no seu hotel, uma multidão, mesmo violenta, ouviu muitos gritos e dum momento para outro uma parte da praça, a que tem árvores, segundo contou creio que a essas se chama loureiros, e viu estarem no fim 4 corpos pendentes, informou-se, eram funcionários do ministério público, doutores, depois disseram suspeitava o povo estivesse de negócios escuros com a Máfia, seria não seria, o povo enfurecido não pensa e deus queira que o mesmo não suceda cá.Não pela máfia, mas dos negócios de políticos, espero não se chegarmos a isto pois era injusto.
J.a. nunes

Joaquim Simões disse...

Rio d'Oiro:
Nos que correm, nos que já correram e, suponho, nos que correrão. Com diferentes dimensões e intensidades, claro. Mas cá estiveram uns, cá estamos nós e cá estarão outros.

Joaquim Simões disse...

J. a Nunes:
Esperemos que não.